Denúncia

PF pediu busca na casa de Helder Barbalho, mas Justiça Eleitoral negou

Segundo o site O Antagonista, a Polícia Federal chegou a pedir busca e apreensão na casa do governador do Pará, Helder Barbalho, mas a Justiça Eleitoral negou. O argumento da 1ª Vara da Justiça Eleitoral em Belém teria sido a falta de elementos concretos de materialidade contra Helder.

O ex-senador Luiz Otávio Campos é acusado de intermediar o pagamento de R$ 1,5 milhão a título de caixa dois, entre a empresa Odebrecht e Helder Barbalho na campanha ao governo do estado em 2014. . Luiz Otávio foi alvo de prisão temporária.  A PF também prendeu, em Palmas (TO), o empresário Alvaro da Rin, suspeito de participação no esquema.

Relembre o caso:

Em 2017, os executivos da Odrebrecht, Fernando Luiz Ayres da Cunha e Mário Amaro, delataram que, por intermédio de Paulo Rocha e João Salame ( então prefeito de Marabá), Helder, que na época disputava o governo do Pará, procurou a empresa para pedir R$ 30 milhões e que a empresa, só teria atendido em R$ 1,5 milhão em caixa-dois.

Os delatores informaram que no Setor de Operação estruturadas da Odebrecht ( setor de propinas) Helder Barbalho era conhecido pelo codinome “cavanhaque“.

Em troca aos valores recebidos, Helder Barbalho teria prometido entregar em forma de privatização, a companhia de saneamento do Pará, COSANPA.

Helder justifica que suas contas de campanha foram aprovadas pelo próprio TRE-PA, porém, o processo trata de caixa dois, ou seja recurso não declarado à Justiça eleitoral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
× Fale Conosco