Opinião

Helder diz que aplicará dinheiro do pré-sal em investimentos. Ué, o estado não estava quebrado?

“Peguei o estado quebrado”. Esta tem sido a desculpa recorrente do governador Helder Barbalho para quase todos os problemas que surgiram em seu atual governo. Se não paga piso dos professores, como prometeu em campanha; se não reajusta salário da PM, como prometeu em campanha; se não entrega hospitais quase concluídos pelo governo anterior, Helder tem sempre a mesma desculpa: Não há dinheiro. Peguei o estado quebrado”.

Pois bem, os valores repassados para estados e municípios, do rateio de parte dos recursos do leilão de petróleo do pré-sal, segundo as regras do PL5478/19, que, aprovado nas casas segue para sanção do presidente, só podem ser usados para investimentos ou pagamento de débitos previdenciários.

Em entrevista hoje, (18) ao programa Bom dia Pará, da TV Liberal, o secretário da fazenda do governo Helder, René Souza, afirmou que, no caso do Pará, os 705 milhões que o estado receberá pelo rateio, serão todos gastos em investimentos de infraestrutura no interior, saneamento e asfalto.

Que bom! mas fica a dúvida: Ué, mas o estado não estava quebrado e cheio de dívidas?

A verdade é bem outra, segundo reportagem do G1, o Pará foi o estado com menor dívida previdenciária dos 22 estados que terminaram o ano no vermelho, ou seja, quase todos.

Só para se ter uma noção, estados como Minas Gerais e Rio Grande do sul, terminaram o ano em – 5.454, 76 e – 3.861,48, respectivamente, enquanto o Pará apenas com -0,3.

Veja o gráfico dos estados.

Se Helder pode direcionar os recursos para investimentos é porque pegou um estado com equilíbrio de contas e sem déficit fiscal. Será que poderemos falar a mesma coisa quando findar seu mandato?

Eduardo Cunha

Eduardo Cunha é o editor chefe do ParaWebNews. É Advogado (UFPA) com especialização em ciências criminais, músico, social media, blogueiro e jornalista, acumulando anos de experiência dos bastidores da política no Estado do Pará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar